Secondo Marco: duas gerações juntas produzindo excelentes vinhos


Continuo aqui minha aventura pela Valpolicella (relembre os outros posts aqui e aqui). No segundo dia de visitas, saímos com uma fina neve do hotel em direção a Marano. Lá fiz uma das mais incríveis visitas da viagem, em um pequeno produtor.

Secondo Marco: em meio aos vinhedos na Valpolicella.

Secondo Marco: em meio aos vinhedos na Valpolicella.

Secondo Marco tem 15 hectares de vinhedos e produz anualmente 40 mil garrafas. Faz vinhos da mais alta qualidade, não usa madeira francesa, só eslovena em botti de 50 hl, para manter o caráter da fruta.
Marco Spesi nos recebeu, junto com seu pai Benedetto Spesi. “Il papa”, nasceu em 1929, dá consultoria apenas e nos arrancou muitas risadas nossas durante a visita. Trata-se da história viva de Valpolicella, ele sabe tudo, conhece todo mundo, critica muita gente e cria situações muito engraçadas.
Ele contou por exemplo, que tem um filho produzindo vinho Torrontés na Argentina. Quando perguntei se o vinho era bom, ele respondeu bem italiano “no! il figlio buono é solo questo!”, ou seja, dizendo que apenas Marco era bom filho. Ele, muito tradicionalista, não aceitava que um dos seus estava fora de Valpolicella. Afora as risadas, Benedetto sabe das coisas e faz com que Marco produza tesouros, como um vinho 100% Molinara. Fresco e rosé, esse vinho ele só faz para o pai, mas nos serviu também durante o almoço.
Marco e Benedetto Spesi: excelentes vinhos e simpatia de sobra.

Marco e Benedetto Spesi: excelentes vinhos e simpatia de sobra.

Mas antes do almoço, começamos a provar vinhos direto dos barris e dos tanques de aço inox. De tão bons, fomos provando um, outro, mais um e o Marco ia se empolgando e mostrando suas invenções e tesouros. Os vinhos eram deliciosos: florais e frescos, com muita qualidade, muito bem feitos.

Subimos para almoçar e o papa foi embora, já que a nonna ia fazer o almoço e ele ia fazer a sesta depois.
Durante o almoço provamos 5 vinhos e as minhas anotações repetem: elegante, equilibrado, delicioso, ótimo, fresco, aromático, complexo e assim vai. Seus vinhos têm valores entre 12 euros, o Valpolicella Classico 2012, e 45 euros o Amarone della Valpolicella Classico 2009.
Os preços são mais altos, mas a vinícola é literalmente boutique. Como eu reconheci os rótulos, perguntei se Marco já tinha estado no Brasil. Ele disse que sim, que foi em 2013, e que depois estava com uma exportação fechada para o Brasil, mas o importador acabou não pagando e ele desistiu. Pena para nós!
Comemos queijos maturados, prosciutto crudo com focaccia e um risotto al Amarone. Comida caseira feita pela sua gerente de exportação e servida na sala de degustação da vinícola.
Passamos muito bem, com bons vinhos. Não sei se a Secondo Marco atende o público, mas se for a Verona, passe lá e compre umas garrafas! Quem sabe você não encontra o Senhor Benedetto, que vai te contar algumas boas histórias.
Boa semana!
Ale Esteves

Comentários

comments

Leave a Reply