Relatório Bordeaux 2015 3


No impressionante Château D'Yquem começou o Primeurs 2015.

O Bordeaux Primeurs 2015 começou no impressionante Château D’Yquem.

Voltei de Bordeaux há menos de uma semana e já sinto falta de degustar tantos vinhos e de participar de tantos eventos. Sim, Bordeaux 2015 é uma safra especial e o Primeurs demonstrou isso (veja abaixo as notas de degustação de dois vinhos.

Degustei cerca de 200 vinhos em 3 dias intensos de eventos em Bordeaux. Participei das degustações da Union des Grands Crus de Bordeaux (UGCB), da Cru Bourgeois e ainda algumas degustações extras em Châteaux específicos.

O fato é que a safra de 2015 é grandiosa, mas nada homogênea. Há uma sensível diferença entre as sub-regiões de Bordeaux. Mas lembro que os vinhos degustados ainda não estão prontos para ser vendidos. Eles ainda devem passar um tempo em barricas de madeira para envelhecimento ou em garrafa e só chegar aos consumidores em 2017 ou 2018. Mas ainda assim, deu para ver a qualidade e tipicidade de certas regiões.

A semana Primeurs começou com uma Conferência de Imprensa no Château D’Yquem com a presença dos professores Denis Dubourdieu e Madame Laurence Geny do Instituto da Ciência do Vinho e da Vinha, da Universidade de Bordeaux. Segundo eles, a safra 2015 foi excepcional em quantidade e qualidade.

Condições para uma safra dos sonhos.

Condições para uma “safra dos sonhos”.

Os professores nos mostraram que 2015 teve as 5 condições essenciais para se fazer uma safra excepcional:

  1. floração rápida e antecipada;
  2. início do estresse hídrico durante o período de formação da fruta;
  3. fim do crescimento vegetativo, perto do período de mudança de cor;
  4. seca e calor moderado, durante o período de maturação das uvas; e
  5. clima ameno, durante a colheita.

Antes de 2015, a safra 2005 havia apresentado as mesmas 5 condições ideais e a safra 2009 também teve premissas bem parecidas. Essas safras são tidas como as melhores da ultima década, junto com 2010.

Vale lembrar que 2015 foi um ano de seca na Europa. Quem visitou regiões vinícolas deve lembrar dos viticultores preocupados com a falta de chuva, depois de tantos meses secos. Eu estava na Alemanha no final de Agosto de 2015, e os produtores estavam felizes com a seca, por um lado, já que a videira dá fruta de qualidade quando há um certo estresse hídrico, mas preocupados se a chuva viria na colheita, o que encheria os bagos de água e faria uma safra mediana. No dia 24 de Agosto, começou a chuva na Alemanha, à tempo de fornecer a água necessária à vinha e muito antes da colheita.

Voltando à Bordeaux, isso aconteceu lá também. Abril, Maio e Junho foram meses sem chuva, Julho foi um mês de clima agradável, quente e seco, com temperaturas acima de 30 graus, e pouquíssima chuva durante 12 dias. Isso levou a um déficit hídrico suficiente para parar o crescimento vegetativo, antes da mudança de cor das uvas. Mas foi o quinto mês sem chuva e as uvas estavam bem pequenas.

Agosto foi o mês que salvou a safra. A quantidade de chuvas foi mais alta que o habitual, mas as uvas já tinham mudado de cor na primeira semana do mês e já estavam preparadas para receber chuva. Mas a chuva não veio por igual, algumas áreas receberam mais chuva que outras e assim o tamanho das uvas se diferenciou bastante entre uma região e outra.

Setembro e outubro foram meses de clima ameno, pouca chuva. A colheita pode ser concluída e as uvas estavam maduras, mas com a acidez alta.

Os vinhos brancos mostraram ótima qualidade: cheio de aromas de frutas e intensos sabores. Os vinhos doces estavam excepcionais, com destaque para Sauternes: são vinhos puros, frescos, muito ricos em sabores. Os vinhos tintos se mostraram encorpados, concentrados, frescos, com álcool em um nível bem moderado, entre 13-13,5% e com uma grande qualidade e possibilidade de guarda imensa.

Aqui as notas de degustação de dois vinhos, só para abrir o apetite.

chateau-smith-haut-lafitte

PRODUTOR Château Smith Haut Lafitte
ANO 2015
REGIÃO Pessac-Léognan
PAÍS França
NOTA DE DEGUSTAÇÃO Aromas de frutas cítricas, baunilha, defumado e notas amanteigadas. Na boca, é fresco, com acidez média alta, complexo e com final longo.
PONTUAÇÃO 93
COR branco
BEBER ATÉ 2025
DATA DA DEGUSTAÇÃO 5-Abril-2016

pape-clement

PRODUTOR Château Pape Clément
ANO 2015
REGIÃO Pessac-Léognan
PAÍS França
NOTA DE DEGUSTAÇÃO
Muito floral no nariz, com notas de violetas, frutas vermelhas e negras. Ainda notas complexas de tostado, defumado, caixa de charuto e baunilha.

Taninos são altos, mas finos, álcool muito bem integrado, final longo. Vinho encorpado de alta qualidade e muito complexo.

PONTUAÇÃO 94+
COR tinto
BEBER ATÉ 2031
DATA DA DEGUSTAÇÃO 5-Abril-2016

Nas próximas semanas vou colocar no site as notas de degustação de diversos vinhos. Eu pontuei diversos vinhos acima dos 90 pontos e já digo que vai valer a pena comprar e guardar vinhos Bordeaux da safra 2015. Agora só temos que esperar pelos preços.

Boa semana!

Alessandra Esteves

Comentários

comments


Leave a Reply

3 thoughts on “Relatório Bordeaux 2015