A experiência de julgar para o IWSC 4


IWSC

Eu estive em Londres em Maio de 2015, participando como jurada (ou melhor, associate judge) para o concurso International Wine and Spirit Competition (IWSC). Eu nunca relatei minha experiência aqui no site, talvez pela correria, talvez porque foi algo bem difícil de fazer.

Assim que comecei o Diploma da WSET, entrei em contato com o IWSC e com outro concurso, chamado International Wine Challenge (IWC). Os dois são em Londres e os dois concursos são muito famosos e reconhecidos mundialmente. Fui aceita para julgar nos dois, mas escolhi o IWSC porque tinha as datas que eu precisava.

Viajei então para ser jurada do concurso, neste caso, de vinhos italianos. O IWSC fica em Guildford, perto de Londres, e tem um processo super rigoroso em seu concurso. Em toda sala de julgamento há um Master of Wine, alguns especialistas no assunto, um Chairman (que conduz a degustação) e um jurado associado, neste caso eu. São cerca de 7-8 pessoas, para julgar 60 ou mais vinhos por dia.

A degustação ocorre em silencio e totalmente às cegas. Mesmo depois de acabado o concurso, não sabemos quais foram os vinhos degustados. Depois de provado, cada um dá a nota rapidamente, em voz alta, e uma pessoa computa os números e vê se tal vinho ganhou ou não medalha de ouro, prata, bronze ou nada.

Vale dizer que os vinhos são degustados por regiões/países/estilo. Assim um espumante brasileiro só concorre com espumante brasileiro. Ele não compete com Prosecco, Cava ou Champagne. Ou seja, quando um espumante brasileiro ganha algo em um concurso, ele não é o melhor do mundo (como muita gente diz), mas o melhor na sua categoria.

Bom, analisamos cerca de 65 vinhos no primeiro dia e cerca de 70 no segundo dia, entre brancos e tintos, e alguns espumantes, como os da foto acima. Alguns vinham com defeito (veja o último da foto), o Chairman pedia para trocar, mas quem serve e traz os vinhos não tem contato com aqueles que estão provando.

Acabado o trabalho, é servido um lanche e cada um segue seu caminho. Tudo muito profissional, correto e eficiente.

Então porque foi difícil? Porque eu como novata, queria comentar, conversar, saber dos vinhos e não soube nada. Mas o aprendizado foi grande. Eu aprendi a seriedade destes concursos e aprendi que quem está ali dando as notas para os vinhos são grandes especialistas no assunto. Assim, quando você ver um adesivo no vinho, com uma medalha, pode confiar que aquele vinho surpreendeu na sua categoria.

Esse ano eu recebi o email do IWSC convidando para julgar os vinhos de novo. Julgando mais algumas vezes, eu passo a ser jurada “efetiva”. Preciso ajeitar minha agenda e arrumar um tempinho para ir novamente a Londres. 😉

Boa quarta!

Ale Esteves

Comentários

comments


Leave a Reply

4 thoughts on “A experiência de julgar para o IWSC

  • Leticia

    Alessandra, voc já tem estudo e diplomas suficientes para ser uma excelente jurada!! Temos muito orgulho de você. Há sempre o que aprender, e você está no caminho certo. Sucesso, queremos ver você em Londres!

  • luiz

    Oi Ale!!! tudo bém?? parabéns por mais esta conquista, com certeza, ser jurada de uma organização como esta não é fácil, tem que ter muito conhecimento….parabéns mais uma vez!!!